Cartão Ponto

A importância do Cartão Ponto para as empresas

Em um mundo tão corrido quanto o nosso, é imprescindível termos responsabilidade quanto aos horários dos nossos compromissos. E o trabalho, claro, é um dos mais importantes compromissos que temos diariamente. É essencial, para as empresas, que os horários dos funcionários sejam respeitados de forma muito profissional, o que faz com que também o relógio Ponto seja um item necessário em qualquer local de trabalho.

Com o relógio de ponto, o empregador consegue saber com exatidão os horários em que seus colaboradores estão entrando e saindo do trabalho. Essa é uma das informações mais importantes dentro do universo empresarial, já que as empresas pagam salários baseados no número de horas trabalhadas e, em alguns casos, nas horas extras feitas por um funcionário. Além disso, na carteira de trabalho de cada um, a descrição do cargo vem, também, com o número de horas trabalhadas previsto no contrato de trabalho, e quem não cumpre com exatidão essa parte do contrato pode ser penalizado por isso.

Direitos dos trabalhadores

Direitos dos trabalhadores

Por essa causa é que bater o cartão Ponto não é um tipo de controle apenas do empregador, mas também do funcionário. Afinal, é esse o principal instrumento para comprovar atrasos e existência de direitos devidos por horas extras, caso seja necessário tomar alguma direção mais drástica através da justiça trabalhista. O funcionário que se acostuma a “bater o ponto” tem muito mais vantagens nesse tipo de atitude do que quem o emprega. Por outro lado, diante da inexistência de um local específico de registro de ponto, o empregador que for levado à justiça pelo funcionário que clama por direito a diminuição de jornada de trabalho ou hora extra terá que dar o ônus da prova; ou seja, provar que o funcionário não chega no horário ou não faz hora extra por outros fins que não o relógio ponto. Para a lei trabalhista brasileira, no entanto, outros tipos de ferramenta não significam muito em juízo.

No final das contas, quem sai ganhando com o uso do cartão ponto é a própria empresa, que tem seus funcionários e donos comprometidos com o bom andamento dos trabalhos dentro do horário previsto por lei. A jornada de trabalho deve ser controlada, conforme previsto em lei, e não há nenhuma ferramenta mais eficaz nesse controle do entra-e-sai de funcionários do que o relógio ponto, que sempre fica próximo à porta principal de cada empresa.

Cartão Ponto e sua evolução durante os anos

Registrar o horário de entrada e saída de um funcionário na empresa é uma prática que existe desde que o mundo é mundo. Mas, ao longo dos anos, essa ferramenta documental vem se aprimorando – e tem até portaria específica para ela, cujo uso obrigatório agora é garantido por lei no Brasil. Se houvesse um museu de evolução das ferramentas de trabalho, com certeza o relógio Ponto estará entre os itens de acervo. Afinal, ele nem sempre foi da forma como o conhecemos, e a tecnologia se apodera cada vez mais dos princípios dessa ferramenta.

Tudo começou com o livro de registros, onde os funcionários escreviam, de próprio punho, o horário de entrada e saída do local de trabalho. Essa prática, embora muito comum, demandava muita confiança da parte dos empregadores, que deveriam acreditar plenamente na palavra dos funcionários sobre o cumprimento de sua carga horária. As sentenças anteriores foram escritas na base do “era”, mas a verdade é que muita coisa ainda o é. Em pequenas empresas, com poucos funcionários, o livro de registro substitui muito bem o cartão Ponto, além de ser uma medida extremamente econômica para o estabelecimento.

Depois vieram as versões mecânicas e magnéticas do relógio Ponto, onde se inseria um cartão de cartolina dentro do vão do relógio e lá era registrado o horário exato de entrada e saída, tal qual uma máquina de protocolos. Esse modelo migrou rapidamente para o digital, onde o cartão do funcionário é lido por um sistema interno e registra seus horários de trabalho de forma totalmente digital.

Se você pensa que para por aí, se engana. A última moda no mundo dos registros de ponto é a leitura biométrica do funcionário, feita a partir das digitais do próprio. Essa ferramenta é usada, muitas vezes, acoplada em catracas de grandes edifícios, prédios comerciais e até academias, e é a mais difícil (senão impossível) de ser burlada. Ao chegar no local de trabalho, o funcionário aproxima o dedo de um leitor digital que reconhece suas marcas digitais e registra seus dados. Tecnologicamente falando, essa é a última novidade no mundo dos cartões de ponto e relógios para que o funcionário tenha, sempre, seus direitos resguardados.

Formas antigas de Relógio Ponto

Hoje em dia, quando você entra ou sai do serviço, coloca seu crachá dentro de uma máquina eletrônica que registra automática e eletronicamente o seu horário de entrada e saída na empresa – e, se a empresa está na vanguarda, ainda existe a biometria, que é o reconhecimento através das impressões digitais. Mas nem sempre foi assim. Da assinatura de ponto a mão até o relógio Ponto eletrônico (ou biométrico), muita coisa evoluiu no mundo dessa ferramenta que gera tanta polêmica, mas sempre se faz necessária.

Como foi dito, o primeiro modelo de cartão Ponto foi o mais artesanal possível: a mão. As pessoas assinavam seu nome e seu horário de entrada e saída da empresa e o empregador teria de confiar nas informações passadas pelos seus colaboradores, tanto para atrasos quanto para a possibilidade de horas extras.

Cartão ponto antigo

Cartão ponto antigo

Depois, vieram os mais comuns modelos de relógio de ponto que existiam até o processo ter se tornado eletrônico, que é o relógio de corda e ponteiros (hoje o relógio é digital, na maioria dos casos), e o ponto é marcado em um cartão de cartolina, onde é impresso data e hora de chegada e saída (semelhante a um processo de protocolo de documentos). Esse estilo de relógio de ponto nos remeta a anos antigos, como a década de 1960, e começou a se transformar em algo mais “atual” na década de 1990, quando teve seu primeiro modelo de cartão Ponto de forma magnética.

Tirando o estilo “artesanal” do cartão de ponto, em nenhum outro a falsificação de informações foi feita de forma fácil. Os aparelhos que foram sendo inventados e aprimorados através dos tempos garantiam um ótimo retorno aos empresários, que não precisavam mais se preocupar com fraude nos horários, por ser quase impossível configurar o relógio de ponto para este fim. Atualmente, os cartões de ponto funcionam com biometria, processos digitais e outros fatores para acompanhar os avanços tecnológicos no mundo, muito melhores do que os antigos relógios de ponto. E o próprio empregador também não pode mexer a bel-prazer nas informações do relógio em questão, já que hoje existem até leis que regulamentam o uso e a manipulação dos relógios para cartões de ponto.

Cartão ponto para empresas

Todo empregador é obrigado, por lei, a ter registradas as horas de entrada e saída dos seus funcionários na jornada de trabalho. Atualmente, também por força de lei, as empresas brasileiras fazem esse tipo de controle através do cartão ponto eletrônico, o famoso crachá que, passado em uma superfície magnética, registra precisamente a que horas o trabalhador entrou e saiu do ambiente profissional.

Nem sempre foi tão moderno, no entanto. Algumas pequenas empresas (principalmente as de cunho familiar) usam o bom e velho registro em folha de papel, o que demanda muita confiança e controle por parte dos empregadores – e por isso mesmo a ferramenta só é viável em pequenas empresas. Algumas outras empresas também usam a cartolina de ponto para registrar os horários dos funcionários, imprimindo no papel o horário exato da chegada e saída. Ainda assim, ambas essas ferramentas estão igualmente atrasadas do ponto de vista tecnológico. O maior impeditivo para que elas sejam usadas é a facilidade de burlar o sistema.

Tudo sobre cartao ponto

Tudo sobre cartao ponto

O cartão de ponto é sempre entregue ao profissional assim que ele chega em uma nova empresa, e vale tanto para registrar atrasos constantes (tendo assim um benefício de controle do empregador) quanto para registrar as horas extras da jornada trabalhada (e, dessa forma, respalda também o empregado através dos seus direitos). Uma lei federal de 2009 deixa claro que em médias e grandes empresas o uso dessas ferramentas de registro é obrigatório para fins de cumprimento de contrato, e a forma mais fácil e eficaz de se fazer isso é através do registro eletrônico, que não pode ser facilmente burlado.

Cada funcionário é responsável por registrar seus horários no relógio ponto, inclusive de saída e volta do horário de almoço. Esse tipo de burocracia é tão peculiar e importante que se um funcionário da empresa registrar, por qualquer motivo, a entrada e a saída de um colega que está ausente, pode ser demitido por justa causa. Burlar a política do famoso “bater ponto” pode ser uma mancha na carreira profissional, e segui-la a risca tem mais benefícios do que possa parecer. Afinal, é através desse tipo de registro obrigatório que empregados e empregadores têm uma forma de reivindicar seus direitos caso o contrato de trabalho vá parar na justiça.

Relógio ponto Biométrico – a evolução do cartão ponto

Quando a jornada de trabalho se oficializou, dando um limite fixo diário para o labor, as formas de comprovar a entrada e saída do funcionário no local de trabalho eram as mais artesanais possíveis, diferentes do cartão ponto ou relógio ponto biométrico como conhecemos hoje. Tudo começou pelo simples fato de registrar manualmente os horários de chegada e saída em uma folha de ponto. Além de essa atitude requerer muita confiança por parte dos empregadores, que deveriam sempre presumir que o funcionário estava sendo sincero nas suas anotações, esse não era um tipo válido de documentação para provar horas extras e atrasos em juízo.

Por essas e outras que o relógio Ponto, implementado há alguns anos nas empresas brasileiras, não só é uma boa saída para esse tipo de situação como também é previsto e regulamentado por uma portaria específica, que visa garantir os direitos dos funcionários a partir da obrigatoriedade do registro em folha de ponto ou cartão magnético sua entrada e saída nos locais de trabalho. A ferramenta, seja ela magnética, mecânica ou eletrônica, é obrigatória na grande maioria das empresas brasileiras desde agosto de 2010.

Cartão ponto biometrico

Cartão ponto biometrico

Com intensa demanda pelos processos de oficialização da chegada e saída dos funcionários nas empresas era de se esperar que o sistema também se atualizasse, a fim de evitar fraudes, que ainda eram possíveis, mesmo em meios mecânicos e eletrônicos de registro. Por isso o Cartão Ponto está sendo substituído em boa parte das empresas, principalmente as grandes, pelo relógio Ponto biométrico, que faz a leitura do horário e saída do funcionário através de sua impressão digital. Se pararmos para pensar, é um dos poucos sistemas onde burlar o registro não é uma opção assim tão fácil.

Em edifícios comerciais essa alternativa é ainda mais empregada, através da catraca biométrica, uma roleta que fica na entrada do prédio e por onde devem passar absolutamente todas as pessoas que adentram no recinto. Quem já for registrado como funcionário do edifício precisa apenas aproximar o dedo registrado do indicador luminoso e aguardar pela liberação da passagem. Nesse caso, além de registrar a hora de entrada e saída de cada um, o sistema ainda garante total segurança a quem trabalha dentro do edifício.

Esse sistema não deve ser levado como uma ação burocrática por parte das empresas. Muitos funcionários podem pensar dessa forma, porém o cartão ponto biométrico é uma segurança para todas as partes, pois garante, de forma mais clara e precisa, todos os movimentos do funcionário dentro de uma empresa.

Quando o cartão ponto torna-se obrigatório para uma empresa?

De acordo com o Ministério Público, o cartão ponto é obrigatório em estabelecimentos de mais de dez trabalhadores, que devem anotar sua entrada e saída, seja por meio de um registro manual, mecânico ou eletrônico. Todo empregado é obrigado, por lei, a registrar sua jornada de trabalho, seja ela de oito horas, menos ou de acordo com o que foi estipulado. Tal medida serve como aliada de funcionários e empregadores, seja na hora de conferir a quantidade exata de horas extras ou até mesmo para situações de demissões, caso o colaborador tenha atrasos recorrentes e não justificados. O sistema de registro de frequência dos funcionários apresenta vantagens para ambas às partes e deve ser levado muito a sério pela empresa e não pode ser visto como um artifício de controle por parte do funcionário.

O relógio ponto tem muita importância para o empregador, pois é por meio desse sistema que se pode checar, com exatidão, os horários que seus trabalhadores estão chegando e saindo do trabalho. Esse dado é importante já que muitas empresas pagam salários baseados nos números de horas trabalhadas, sem contar que o registro auxilia muito na hora da contagem das horas extras realizadas – e esse ponto é válido para auxiliar o funcionário para que receba, com justiça, por suas hora excedentes trabalhadas durante o mês. Além disso, quem não cumprir com exatidão o tempo de trabalho previsto no contrato pode ser penalizado por isso. E, para que isso não aconteça, o cartão ponto serve como um aliado do funcionário no controle dos seus horários.

Cartão ponto obrigatório

Cartão ponto obrigatório

Já o cartão ponto biométrico é um dos sistemas mais avançados para o controle da jornada de trabalho de um empregado e chegou no mercado para substituir os antigos modelos de cartão ponto, desde os ultrapassados cadernos, planilhas de excel ou os modelos onde o funcionário insere o cartão. A marcação de horas trabalhadas é feita através da leitura da impressão digital de cada um colaborador. Esse tipo de relógio começou a ser utilizado também na entrada de prédios, garantindo mais segurança. Essa ferramenta traz mais confiabilidade para uma organização, já que com esse método não é possível burlar o registro, ou seja, agir com má fé e pedir para um colega passar o cartão ou assinar o livro de registro, por exemplo. Vale lembrar que tal ação pode ser caracterizada como um crime de corrupção, passivo de demissão sem justa causa.

O cartão ponto só traz vantagens para as empresas: os funcionários se comprometem mais com o bom andamento dos trabalhos dentro do horário previsto por lei e a jornada de trabalho fica controlada. Esse é a ferramenta também é eficaz para o funcionário, pois ajuda a fazer com que a empresa seja justa no momento do pagamento, principalmente, dos valores de horas excedentes de trabalho. O relógio ponto deve ficar sempre próximo à entrada principal da empresa, facilitando o acesso de todos e mostrando a organização da instituição.

Se sua empresa ainda não está adequada a essa normativa, não perca mais tempo e procure uma das empresas especializadas em cartão ponto e adquira um produto de qualidade que será um dos principais parceiros para o crescimento do seu negócio.

O que é a portaria 1510? Regulamentando o cartão ponto

A portaria 1510 é um documento que regulamenta o uso e as responsabilidades do cartão Ponto, ferramenta que comprova a hora de entrada e saída do funcionário no local de serviço, principal indicativo de atrasos e horas extras feitas durante o período de labor. O documento foi oficializado em 21 de agosto de 2009 pelo Ministério do Trabalho e Emprego e, com força de lei, passou, a partir desse ano, a ser válido em todo o território brasileiro. As empresas tiveram um ano para se adaptar às mudanças propostas no aparelho.

A partir da portaria 1510, ficou proibido qualquer tipo de restrição à marcação no relógio Ponto, incluindo marcações automáticas e alterações nos dados registrados. A portaria também regulamentou a emissão obrigatória do comprovante de marcação a cada registro efetuado nos REP (Registradores Eletrônicos de Pontos) e estabeleceu requisitos para programas que fazem o tratamento de dados advindos dos registradores, bem como os formatos de relatórios e arquivos digitais de registro de ponto.

Portaria 1510

Portaria 1510

Em uma das grandes novidades da portaria estava a obrigatoriedade dos Registradores Eletrônicos de Ponto estarem submetidos à aprovação do Ministério do Trabalho e Emprego e, posteriormente, registrados em um banco de dados como REP permitidos para o desempenho da função.

Tanto para empresas quanto para funcionários a portaria 1510 é de grande valia, visto que ela apenas regulamenta uma prática comum dentro dos locais de trabalho, mas que poderia ser facilmente burlada no intuito de prejudicar uma das partes da relação trabalhista. Dessa forma, todo e qualquer erro na operação da máquina é de responsabilidade do empregador, e qualquer tentativa de fraude, tanto por parte de empregadores quanto de funcionários, é severamente punida pelo Ministério.

Dessa forma, é possível ter mais um respaldo no que antes já era garantido a todos os trabalhadores no que diz respeito a hora extra, banco de horas, e atrasos e demissões por justa causa (se for o caso) por parte dos empregadores. Quem ainda não se adaptou às mudanças, mesmo dois anos depois da obrigatoriedade plena da portaria, pode sofrer as sanções da lei, que variam de multa até apreensão de documentos e equipamentos do estabelecimento irregular.

Ajudando sua empresa na gestão dos funcionários

Embora pareça um tanto quanto antiquado em algumas frentes, o registro de chegada e saída do local de trabalho serve como um aliado dos funcionários e empregadores na hora de formatar os direitos a horas extras e, quem sabe, até demissão, em casos onde atrasos recorrentes e não justificados são sentidos na empresa. A gestão dos funcionários através do registro de ponto pode ser feita de várias formas, todas eficazes, porém algumas com limitações.

Em pequenas empresas ou empresas cuja gestão é mais familiar, o registro de chegada e saída pode ser feito manualmente pelos funcionários, que preenchem uma folha por conta própria. Nesse caso, é preciso que os funcionários inspirem bastante confiança à empresa, já que é o modo mais fácil de burlar as informações de horário. O mesmo acontece aos funcionários: é preciso confiar na boa fé dos empregadores para que as informações ali preenchidas sejam usadas de forma correta para o repasse de pagamento ou banco de horas por hora extra.

Cartão ponto - contribuindo na gestão dos funcionários

Cartão ponto – contribuindo na gestão dos funcionários

Já o cartão ponto magnético ou eletrônico evita esse tipo de problema, mas tem um caráter muito mais rigoroso de preenchimento. O funcionário vai colocar seu cartão dentro do relógio Ponto, que vai aferir com exatidão a hora da entrada e da saída do funcionário. Embora mais prático para fins trabalhistas, o cartão com essa funcionalidade precisa ser usado de forma correta para não trazer prejuízos a ninguém – como, por exemplo, o funcionário se esquecer de registrar a hora de entrada, saída ou horário de almoço, já que, nesses casos, sem registro, não há como comprovar que ele chegou no horário ou saiu depois do período de trabalho.

Não importa qual seja a ferramenta utilizada para esse registro, uma vez que a própria assinatura de ponto, manual ou eletrônica, atua como um documento legal de comprovação da jornada de trabalho cumprida pelo trabalhador. Por causa disso, a empresa contratante é obrigada pela legislação a guardar os registros de ponto de cada funcionário pelo prazo mínimo de cinco anos. Também de acordo com a lei rasuras diversas dentro do documento podem torná-lo imprestável para fins legais. Dessa forma, é imprescindível que o funcionário saiba preencher sua folha de ponto ou passar seu cartão Ponto corretamente, para que todos os seus direitos trabalhistas devidos lhe sejam assegurados.

Segurança para a empresa e para o trabalhador

No mundo moderno, onde as formas de produção são mais “abertas” e democráticas (em um cenário em que várias pessoas já podem trabalhar de bermuda e chinelo ou até mesmo dentro de suas próprias casas), muita gente acha chato e sem sentido ainda ter que assinar o ponto, avisando o horário de entrada e saída na empresa. A atitude pode até parecer exageradamente burocrática, mas a finalidade principal da ferramenta é resguardar empregadores e funcionários de seus devidos direitos.

O sistema não é só de controle de horário no dia-a-dia, como parece em primeira mão para muita gente, mas o cartão Ponto é de extrema utilidade a longo prazo, principalmente em caso de acordo judicial sobre os direitos trabalhistas. Quem assina o ponto está assinando, também, seu tempo diário de trabalho, pelo qual foi contratado a cumprir, bem como suas horas extras, cuja reposição em banco de horas ou pagamento extra no final do mês são de responsabilidade do empregador.

Cartão ponto biométrico

Cartão ponto biométrico

Na outra ponta da relação de consumo também é possível ver o benefício do uso do relógio Ponto pela empresa: funcionários que sempre chegam atrasados ou não cumprem o horário devido, pelo qual foram contratados a cumprir, podem ser advertidos justificadamente pelo empregador, que pode agir da forma que lhe aprouver com aqueles que não estiverem muito afim de contribuir com o controle de horários da casa. Sim, atrasos múltiplos e sem nenhuma justificativa podem configurar uma demissão por justa causa. Aí, também, entra outra vantagem para o próprio funcionário: assinando o cartão de ponto corretamente, essa é uma das causas que ele pode riscar da lista caso a empresa queira o mandar embora. E demissão sem justa causa é cercada de direitos, inclusive econômicos, para o trabalhador.

A conclusão disso tudo é que, apesar de parecer muito burocrático – e os brasileiros, acostumados com tanta burocracia, tendem rápido a pensar nas ferramentas de maneira negativa – o cartão Ponto é um ótimo aliado para resguardar os direitos de todos os envolvidos nas relações trabalhistas. Afinal, convenhamos: cumprir horário corretamente é um dever e uma conduta ética de todo funcionário, não importa onde ele esteja trabalhando.

Por quanto tempo o funcionário deve guardar o registro do cartão ponto e por que ele deve ser guardado?

Em setembro de 2012 começou a valer o Sistema de Registro de Ponto Eletrônico (SRPE) em microempresas e empresas de pequeno porte – com mais de dez empregados – que já utilizam o equipamento eletrônico para registro da jornada de trabalho. A novidade está sendo utilizada por empresas com atividades no ramo industrial, pelo comércio em geral, setores financeiros, de transporte, de energia, saúde, educação etc. O ponto eletrônico está programado para emitir um comprovante a cada vez que o empregado bater o ponto, além de o relógio não poder ser bloqueado nem ter os dados editados. Tal medida garante mais segurança para os colaboradores e garantia de sucesso em possíveis auditorias.

De acordo com o Ministério Público, essa ação visa à proteção dos trabalhadores, já que esse novo sistema tem por finalidade reduzir as fraudes no registro de horas trabalhadas, o que vem acontecendo em algumas organizações. Muitas empresas estavam excedendo o limite diário de horas trabalhadas e, muitas vezes, não pagando o adicional de hora extra que é direito dos empregados. Além disso, a medida também vai auxiliar no controle de irregularidades como excesso de jornada com mais de dez horas de trabalho, falta de intervalo para descanso e almoço e pagamento de horas extras.

Para que o trabalhador possa se resguardar e exigir os seus direitos diante de algum problema citado acima, a recomendação é que ele guarde o registro de ponto com o horário de chegada e saída no cartão ponto num período de cinco anos, prazo para prescrever as possíveis irregularidades. Além disso, deve ficar de olho também no relógio ponto para checar se as marcações estão sendo realizadas de forma correta.

Cartão Ponto que imprime

Cartão Ponto que imprime

A portaria nº 1.510, que regulamenta o REP, diz que no período de 90 dias de utilização do novo ponto, a fiscalização visitará as empresas para orientá-las a respeito do recente sistema adotado. Após as duas primeiras visitas, o auditor-fiscal do trabalho irá informar o que ainda não está dentro das conformidades, de acordo com a lei, dando aos empresários o prazo de 30 a 90 dias para a adaptação. Após isso, na terceira visita, iniciam-se as ações repressivas.

Se você é dono de empresa e está com a intensão de regularizar a situação do seu negócio, não deixe para a última hora e corra atrás de uma empresa responsável pela venda e manutenção de aparelhos de cartão ponto. E, caso você seja um funcionário, não deixe de guardar o comprovante que é emitido pelo relógio ponto, pois ele é sua maior garantia.

  • silvia regina gomes morielo

    28/03/2013

    Uma prefeitura pode obrigar seu funcionário a passar o cartão de ponto num local que está instalado o relógio, se esse funcionário trabalha em outro local que não tem o relógio?

  • Dione Duarte

    05/04/2013

    Tem alguma sugestão de como controlar o ponto do caseiro da minha Chácara? Durante quase toda a semana não tem ninguém no local que possa compravar a sua regular frequencia, até hoje acreditei na sua palavra, mas agora com a nova regulamentação receio que isso acabe me prejudicando. Pensei numa porta que só abrisse e fechasse com senha e, que registre estes horários.

  • Andrea silva malaquiasa

    17/04/2013

    o relogio biometrico da minha empresa não lê minhas digitais pois tenho uma deficiência digital e até agora eles não me deram uma solução o relogio não consegue le minhas digitais é constrangedor me ajudem

  • EMILIO DIAS BARBOSA

    13/05/2013

    GOSTARIA DE RECEBER CATALOGO DE RELOGIO DIGITAL E SEUS RESPECTIVOS ORCAMENTOS.
    ATENCIOSAMENTE
    EMILIO

  • sirlei

    16/05/2013

    oi o cartão ponto manual (que o funcionario preenche) é permitido até quantos funcionários?
    Somos uma empresa terceirizada e dentro da empresa utilizamos o ponto, da empresa contratante, serve como meio legal?caso não o que fazer?

  • Jair Lopes Gonçalves

    18/05/2013

    queria fazer uma parceria em instalação e manutenção dos equipamentos e solft.a empresa e trozzer teleinformática.

  • mayara profeta

    14/06/2013

    Bom dia,
    Gostaria de saber um seguinte trabalho de segunda a segunda e meu gerente não autorizou a colocar as horas extras no cartão nem colocar os domingos no cartão isso pode?

  • wilhiam

    14/06/2013

    ola
    estou com uma duvida
    solicitei na minha empresa um relatório de cartão ponto pois desconfio que minhas horas estão erradas mas a empresa não quis me dar o relatório qual procedimento devo tomar em relação a isso ????????

  • carlos almeida

    19/06/2013

    ola amigos gostei desta pagina envia-me mais noticias sobre cartão-ponto bom trabalho para todos. ate breve fui.

  • Clebson

    21/06/2013

    Bom dia;

    Trabalho numa empresa que presta serviço de vigilância, queria saber se o ponto manual, aquele que é assinado pelo trabalhador manualmente, é valido no Ministério do Trabalho.

  • Ivanoir Domingos Gruner

    25/06/2013

    Caso o funcionário esqueça de bater o ponto biométrico na saída, quanto tempo ele tem para avisar a empresa sobre o ocorrido.

  • fernando

    27/06/2013

    é correto eu levar uma advertencia por exceder a jornada de trabalho?

  • Roberto Zuquim

    04/07/2013

    Os relógios de ponto eletrônicos podem ser reutilizados em outras filiais da empresa?
    Como guardar os arquivos que estão no REP?

  • joao alves

    11/07/2013

    gostaria de saber se norma da empresa ou lei do trabalho de bater o ponto na hora de largar é obrigatório ainda estar uniformizado?

  • alessandro

    06/08/2013

    boa tarde, gostaria de saber com quanto tempo depois da ultima saida de trabalho posso bater o ponto novamente para nova jornada de trabalho?

    Grato.

  • jorge luis bezzon

    13/08/2013

    Tem uma confeccão que trabalho de umas 20 funcionárias, e gostaria de implantar um relógio digital…só não sei se biométrico ou com cartão magnetico….pode me mandar um catálogo? Aguardo resposta o mais rápido…quero saber de preço e como funciona tudo isso

  • gardia

    21/08/2013

    gostaria de saber qual o preço da maquina de biometria para registrar o ponto dos funcionarios

  • André Flôres

    29/08/2013

    Gostaria de uma visita de um representante para saber os tipos de ponto e valores.

    Grato

  • Kleydson Moreto

    05/09/2013

    A PORTARIA Nº 1.510, DE 21 DE AGOSTO DE 2009 serve para o Servidor Público Municipal.

    Att,

    Kleydson Moreto

  • wendel marcio martins

    14/09/2013

    eu gostaria de saber se e obrigatorio bater cartao de ponto numa empresa igual a que eu trabalho que os funcionarios trabalham fora da empresa …

  • mauroferreyra da silva

    22/09/2013

    tem como tirar dois papel de ponto num claxa

  • Karla Oliveira

    22/09/2013

    Olá..
    É correto a empresa aplicar uma advertência no funcionário por ter esquecido de bater o ponto ?

    Obrigada!
    Atenciosamente
    Karla Oliveira

  • rhay vilela

    22/09/2013

    sou encarregado em um supermercado.
    e meu ponto é batido pela funcionaria do RH.
    para meu horário ficar dentro do padrão da empresa.
    isso já faz mas de um ano, eu aceitei no começo pois prescisava do salario, pois se não aceitasse eles não podia me dar um valor melhor na folha.
    mas estou prestes a sair da empresa, e isso ainda está acontecendo. como devo agir depois sobre esse assunto de minha horas extras.
    Obrgado

  • vera lucia

    25/09/2013

    O empregado é obrigado a registrar horario de saida e volta do almoço? o que acontece se ele almoça na empresa? o que ocorre quando o empregado faz trabalhos fora da empresa?deverá voltar para registrar o ponto no horario da trabalho?

  • GIL

    24/10/2013

    gostaria de receber maiores informacoes sobre o cartao de ponto os modelos e precos que caiba em meu orcamento,seria para uma oficina mecanica,aproximadamente com efetivo de 4 funcionario,grato fico no aguardo

  • gisele viegas

    03/11/2013

    tenho uma empresa com 14 funcionário e gostaria de trabalhar com relogio de ponto.

  • samara

    16/12/2013

    Olá Bom Dia, Gostaria de saber mais informações sobre o equipamento de ponto com o valor
    de R$ 210,00. Qual seria, e qual a função do material ? e é locação ou compra do mesmo? Poderia mandar uma foto do produto.

    Grata Samara

  • Sandra Lins

    27/12/2013

    Sou obrigada a contratar os serviços do fornecedor via licenciamento do relógio ? ou posso apenas comprar o relógio, sem necessariamente contratar os serviços ?

  • açomelo ltda.

    10/01/2014

    Prestamos serviços em obras de terceiros com4 a 7 funcionários em períodos curtos. gostaria de ponto biométrico que pudesse ser portátil e instalar em cada local que estivermos.solicito informaçoes mais indicadas ,catálogos e preços.obrigado. Marcio Melo

  • Cleiton

    29/01/2014

    Queria saber se esta correto o líder do setor preencher meu cartão de ponto manual quando entro e quando saio ? E quando peço para ver acha ruim.
    Se possível manda o numero ou decreto não sei como dizer , Mas que comprove caso eles estejam errados .
    Obrigado

Deixe um comentário!



Conteúdo Grátis

Páginas